DestaquesEconomia

Trabalhadores sindicalizados reduziu pela à metade em 11 anos. Adesão atinge apenas 8,4% dos empregados em 2023, em comparação com 16,1% no último censo

Filiados chega a só 8,4% dos trabalhadores, contra 16,1% em 2012

A taxa de sindicalização dos trabalhadores brasileiros caiu pela metade nós últimos 11 anos. São 8,4% dos ocupados que estão ligados a algum sindicato contra 16,1% em 2012, conforme a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PnadC) sobre as características do mercado de trabalho, divulgada pelo IBGE.

No ano passado, o emprego foi recorde e número de trabalhadores com ensino superior chegou a 23,1%. O mesmo levantamento mostra que o trabalhador está mais instruído: 23,1% (23,2 milhões) tinham ensino superior completo no ano passado. Há 11 anos, eram 14,1%. E houve redução da parcela de trabalhadores sem instrução ou com fundamental incompleto, que caiu de 32,6% em 2012 e 20,1% em 2023.

Na filiação aos sindicatos, segundo o IBGE, a Reforma Trabalhista de 2017, que criou modelos de trabalho mais flexíveis, e o uso crescente de trabalhadores temporários na administração pública são fatores que explicam a queda na parcela de sindicalizados num momento em que o emprego formal está crescendo.

O número de trabalhadores com carteira assinada bateu recorde em 2023, mesmo assim, a parcela dos sindicalizados entre o total de ocupados caiu em relação a 2022, quando era 9,2%.

A reforma Trabalhista de 2017, acabou com a obrigatoriedade da contribuição sindical, a flexibilização do trabalho, com contratos temporários, inclusive nas áreas de saúde e educação, que também costumavam ter mais sindicalização.

O IBGE chamou a atenção para a queda mais acentuada entre os jovens. Na faixa etária de 18 a 24 anos, a população ocupada recuou 8,7% no Brasil, mas o número de trabalhadores sindicalizados nessa faixa etária recuou 73,4%.

A população mais jovem se insere no mercado de trabalho por vínculos mais frágeis, muitas vezes na informalidade, ou em trabalhos intermitentes, com maior rotatividade, o que leva ao menor número de associações.

 

Sobre o autor

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo